tendencias_2013

Saiba como satisfazer as expectativas dos seus clientes nos próximos 12 meses…

Num mercado cada vez mais competitivo, ganha quem melhor satisfizer o consumidor. Mas, para isso, é necessário entender o que este procura e o que valoriza numa empresa/marca. Para ajudar a desvendar esse segredo, veja as 10 tendências de consumo mundial para 2013 traçadas pela Trendwatching.

1. Cocriação
Os consumidores estão menos passivos, estes cada vez mais envolvem-se no financiamento e lançamento de produtos/serviços. Em 2012, foi investido por consumidores cerca de US$ 2,8 bilhões em plataformas de crowdfunding. Estes procuram retorno financeiro e emocional com marcas acessíveis, amigas e transparentes, que mostrem o seu lado humano.

2. Emergentes ganham força
Países emergentes ultrapassam os desenvolvidos na capacidade de satisfazer aos desejos da nova classe média. Marcas brasileiras e chinesas, por exemplo, fazem sucesso em países como Turquia, Índia e África do Sul, pois têm intimidade com mercados de rápida ascensão e com esse estrato social. Fique de olho: em 2013, o PIB de mercados emergentes ultrapassará o dos países desenvolvidos pela primeira vez, dados do FMI.

3. Momentos digitais
Nos centros urbanos, imersos num estilo de vida cada vez mais multitarefa, as pessoas usam o smartphone para aproveitar todos os momentos do seu dia-a-dia, as soluções móveis são uma tendência. Por isso, oferecer conveniência e experiências  que permitam os consumidores amantes do mobile a adotar naturalmente um estilo de vida multi-hiper-tasking. Afinal, com um smartphone ou tablet à mão, até o menor tempo é aproveitado com conteúdo, consumo e diversão.

4. Produtos com vida
As ações no campo da sustentabilidade continuam em alta. A novidade são os produtos que “têm vida”, ou seja, podem ser plantados ou cultivados em vez de irem para o lixo. Mas mais do que nunca, em 2013 haverá um grande valor simbólico em criar o novo, uma vida através de um produto de consumo. Os consumidores percebem positivamente o simbolismo de valorizar a vida, aproveite e exponha esses valores na publicidade do seu negócio.

5. Apps saudáveis
Tecnologias digitais são a nova medicina, médicos passam a recorrer a aplicativos e a outros serviços para melhorar os resultados de tratamentos. Depois da febre de aplicativos sobre saúde – só na Apple Store, são mais de 13 mil –, as pessoas agora procuram informações precisas. A diferença é que agora os consumidores pedem conselhos a médicos sobre as melhores apps, por isso eles devem estar preparados para “receitar” as melhores soluções para ajudar em tratamentos e acompanhar a sua saúde. Estes “remédios digitais” também prometem popularizar o monitoramento remoto.

6. Orgulho nacional
Ostentar a cultura, as tradições e o estilo de vida de um país passa a ser uma fonte de orgulho para seus habitantes – e objeto de interesse de quem mora noutras regiões. Os mercados emergentes vão aproveitar o seu crescimento económico e exportar o seu modo de ser e os seus símbolos culturais, daí ser importante ficar de olho em parceiros globais que podem ajudá-lo a  trazer parte desse mundo para o seu negócio.

7. Bom uso de dados
Quem está ligado nas redes sociais já se acostumou com a ideia de que as empresas têm acesso aos seus dados. O que muda é que o consumidor vê com bons olhos que as marcas que usam essas informações pessoais, fazem-no para melhorar a sua vida. Mas cuidado: há uma tênue fronteira entre oferecer soluções e sufocar os consumidores com ofertas agressivas e inadequadas.

8. Volta às raízes
A manufatura local ganha peso na decisão de compra. Especialmente para um público que se mostra mais atento à sustentabilidade e com as histórias que estão por trás da produção. Este é um movimento contracorrente das grandes cadeias de distribuição, que estão com uma quota de mercado elevada face aos pequenos comerciantes. E esta tendência vai mais além do que o tradicional artesanato e gastronomia local.

9. Transparência total
Num ecossistema de alta exposição pessoal, as empresas também ficam mais transparentes. Não adianta apenas fazer declarações sobre os seus valores e cultura: é preciso mostrar ao público o que acontece nos bastidores e expor resultados. O consumidor espera que as marcas mostrem as suas credenciais éticas e ambientais. Apenas as marcas que confiam no seu produto (e nelas mesmas) serão capazes de assumir a transparência total.

10. Marcas com causa
Além de mostrarem que estão preocupadas com um futuro sustentável e socialmente responsável, as marcas exigem que o público contribua. Ao posicionar-se como uma marca exigente, tenha a certeza de que é 100% transparente e sincero. E para ganhar o respeito dos consumidores, as ações devem ser frequentes, não apenas pontuais.

Fonte: Trendwatching.com